Le Manjue é um restaurante must go em São Paulo para quem ama a vida saudável. Afinal, poucos restôs conseguem trabalhar bem com uma pegada sabor, saúde e boa gastronomia. Localizado na Vila Nova Conceição (bairro super charmoso de sampa) o restaurante trabalha com alimentos orgânicos e utiliza técnicas e ingredientes para melhorar a biodisponibilidade dos nutrientes. A saúde agradece!. Renato Caleffi, chef do Le Manjue, é pioneiro no estudo e aplicação da gastronomia orgânica e funcional e dá um show de sabor no restaurante. Juro que você não vai se arrepender!!! 
Como o post ficou muito grande, resolvi dividí-lo em duas parte. Nesse post veremos as delícias da primeira ida ao restaurante (há dois anos atrás). E no próximo post as minhas escolhas no cardápio atual quando fui há duas semanas.
Tudo começou com um mimo de sopa de cenoura com anis estrelado. Perfeita! O perfume do anis é maravilhoso!
Em seguida, mini porções para dois beliscarem. Sopa de abóbora com gengibre, saladinha de quinoa e frango thai levemente picante em cesta crocante sem glúten. Finger food no melhor estilo!!!
Close no tabule de quinoa. Molhadinho e super bem temperado! Delicioso!
Fibras não podem faltar. Muita dúvida para escolher uma salada e como era para compartilhar pedi uma bem completa. A salada Angra dos Reis vem com camarões grelhados, cubos de abacaxi fresco com molho de cebola confit em caramelo de aceto, folhas verdes com creme azedo com curry, salpicado de pistache. A salada faz juz ao nome. Tão gostosa e refrescante quanto Angra dos Reis. Sem exageros, a salada mais gostosa do mundoooooooooooo!!!! Se for comer sozinha já vale como uma refeição. É bem servida e bem completa nutricionalmente.
Essa salada merece um close! Na verdade mereceria também um replay semanal. Pena que não moro em São Paulo…
Na primeira vez que estive no restaurante o carro chefe da casa eram os jambalayas. A jambalaya é um prato à base de arroz que pode ter consistência cremosa ou mais sequinha. Na versão original da Louisiana o prato é picante e gorduroso. Mas, na adaptação do Chef Renato Caleffi os jambas (intimidade) são feitos com arroz integral. Ponto importantíssimo! Amo risoto, mas por ser feito com arroz branco (carboidrato simples) dificilmente é minha opção. Fiquei feliz em saber que no Le Manjue posso comer o primo rico do risoto. É juntar o útil ao agradável rss. 
A decisão de qual jamba escolher também não foi fácil, mas o alho negro do Jambalaya de alcachofra com camembert, alho negro e avelãs (coração de alcachofra com arroz cateto, queijo camembert orgânico, avelãs, alho negro e pimenta de biquinho; acompanha azeite de macthá) me hipinotizou. O prato veio super bem servido e dividimos sem brigas rsss. Mega cremoso! Mega gostoso!
O alho negro (assim como o branco) possui atividades anti-inflamatórias, antioxidante, hipoglicemiante e hipocolesterolêmica. O alho negro é produzido a partir do envelhecimento do alho fresco em alta temperatura (70°C) e alta umidade (90%UR). Alguns estudos sugerem o alho negro tem um potencial antioxidante maior que o alho comum, mostrando que o longo processo de maturação não altera suas características funcionais. No alho negro, temos apenas o paladar agradável do alho. Seu sabor é adocicado, caramelado e muito suave. Amargor e ardência são características ausentes nessa jóia rara.
Finalizando…  Pedimos um  “brigadeiro surpresa” feito com polpa de banana verde, leite condensado, chocolate belga e calda de pequi. Sobremesa é geralmente a etapa que pulo, mas queria provar para mostrar que é possível melhorar a qualidade nutricional de alguns doces. É possível comer um brigadeiro adaptado super gostoso. Já provei algumas versões adaptadas, mas nenhum tinha chamado atenção do meu paladar.  O chef acertou no ponto. O doce tem cara de doce e é super gostoso. Huuuuummmmm…
Le Manjue
Rua Domingos Fernandes, 608 – Vila Nova Conceição – São Paulo