Como comi bem em Bangkok! Que saudade daquela cidade vibrante, segura e calorosa. Um dos restaurantes que provei e amei a experiência foi no italianíssimo restaurante La Scala, comandado pelo chef Michele Totaro, localizado dentro do hotel The Sukhothai.

Ao invés de pães italianos com azeite e balsâmico, começamos a refeição com pães de queijo com textura menos macia que a brasileira, mas super crocante. O pãozinho eu resisto fácil, mas esse aí experimentei e repeti rsss. Delicioso!!!

De entrada, pedimos duas opções ara repartir. Uma foi a salada de rúcula com pera, queijo de cabra, amêndoas torrada e um balsâmico envelhecido 50 anos (R$ 52)que tirou essa salada tão clássica e batida do lugar comum. Maravilhosa!

A outra entrada foi um delicioso Alaskan king krab com caviar, tomate em cubos com textura de gelatina e molho de manjericão (R$ 142). Eu amo king crab! O mais bacana do prato foi que não inteferiu muito no king krab e estava como se estive tirando da casca. Huuummm! Babo só de lembrar!
Pausa na comida para mostrar a cozinha completamente aberta no centro do restaurante. Adoro ver o ballet na cozinha. Além de tudo, é uma ótima forma de comprovarmos que a comida está sendo feita com total higiene. Item importante sempre e mais importante ainda quando viajamos. Afinal, perder 2 ou 3 dias de viagem por conta de má manipulação de alimentos não está no roteiro de nenhum viajante.
Um show a parte! 
Ah! Vou aproveitar também para mostrar o ambiente do La Scala. Luz baixa, orquídeas naturais embelezam todo o restaurante e um staff super atento. Nota 10!

Voltando as delícias… Fiquei super na dúvida do prato principal. Peixe, carne bovina ou frutos do mar?!? Com esperteza escolhi um prato com peixe e outros frutos do mar hehehe. Então fui de peixe branco (wild turbot) com vôngole, camarão gigante vermelho maravilhoso (segundo o chef – direto da Itália) e purê de um vegetal chamado parsnip que é uma espécie de cenoura branca com sabor adocicado (R$ 172). O purê mais docinho ornou super bem com os frutos do mar e os frutos do mar estavam no ponto. Corretíssimos e deliciosos!
Rodrigo foi de waygu australiano servido com molho de balsâmico (ele pediu separado) com alho negro, shitake e mousseline de batata (R$ 199). A carne estava hiper mega macia. Já veio assim toda cortadinha pois ele pediu ao ponto para bem. Então, para não perder a maciez ele perguntaram se poderia fatiar. Claro! Só tirar as milhões de foto rápido para não esfriar hahaha.
Sim, nesse dia me entreguei aos prazeres da comida e decidi comer sobremesa. Eu escolhi um sorbet de limão com limoncelo aerado e azeite extra virgem (R$ 52). Exótico e divino! As casquinhas de choco branco o Rodrigo comeu, porque eu acho choco branco mega doce. Mas o restante estava perfeito! Adoro sobremesas diferentes.

Já Rodrigo escolheu frutas vermelhas gratinada com um creme maravilhoso (pq claro, também comi umas colheradas da sobremesa dele), pistache temperadinho e sorvete de creme (R$ 60). A sobremesa original levava sorvete de chocolate branco, mas ele pediu para mudar. Nossa, incrível também. Não sei qual gostei mais rsss.

Para fechar com chave de ouro a experiência no La Scala, na saída do restaurante tem uma foto do nosso brasileiríssimo chef Alex Atala. Bate coração!

La Scala – The Sukhotahi hotel – Bangkok – Tailândia